• 29/03/2017, às 19h15 na Sala da Congregação. Palestra: Medidas de qualidade de governança corporativa: um estudo comparativo entre suas relações com os retornos das ações ministrada pela mestranda Bianca Thomazella. A palestra apresentou o aporte de capitais necessário ao desenvolvimento das grandes corporações durante o século XX veio acompanhado do desenvolvimento do mercado de capitais, o que deu origem a uma dissipação do capital social das empresas em forma de ações disponíveis no mercado para investidores no geral. Assim, diante do desenvolvimento acelerado do mercado de capitais, começou-se a dar atenção a mecanismos de controle que visassem a preservação do capital dos investidores, e, com esta finalidade, surgiu o que chamamos de governança corporativa.

 

  • 30/11/2016, às 19h15 no anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Nova estrutura conceitual básica – o que muda para a contabilidade pública? ministrada pelo doutorando Ricardo Rocha de Azevedo.

 

  • 28/09/2016, às 19h15 na Sala da Congregação foi realizada a palestra A divulgação de provisões e passivos contingentes ambientais pelas empresas do setor de energia elétrica em comparação ao desenvolvimento da normatização da evidenciação contábil proferida pela Me. Lucelma Maria dos Santos Teixeira.

 

  • 31/08/2016, às 19h15 na Sala da Congregação foi realizada a palestra A prática da gestão de riscos financeiros e geração de valor ao acionista um estudo das empresas brasileiras não financeiras proferida pela doutoranda Rogiene Batista dos Santos. A palestra apresentou os aspectos que envolvem a gestão de riscos financeiros. Dessa forma, tendo em vista que as incertezas fazem parte das organizações em seus mais variados graus e que os riscos podem lhes trazer impactos negativos ou positivos, estes podem afetar a geração de valor às partes interessadas. Assim, como tal prática é uma decisão financeira, espera-se que ela crie valor pela presença de mecanismos derivativos na contabilização das empresas e gere valor ao acionista.

 

  • 29/06/2016, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres foi realizada a palestra Nova Lei de Finanças Públicas: o que muda na gestão dos recursos públicos? do Projeto Diálogos com a Comunidade, proferida pelo doutorando Ricardo Rocha de Azevedo. A palestra apresentou os aspectos contábeis, fiscais, orçamentários e de controle do Projeto de Lei “PLS 229/09”, recém-aprovado no Senado em 07/06/2016, que está aguardando aprovação pela Câmara dos Deputados. Quando aprovada, a nova lei terá aplicação para todos os entes da federação, substituindo a tradicional Lei 4.320/64, com mais de 50 anos, que é a lei que atualmente regula o orçamento e a contabilidade do setor público. O objetivo do evento é apresentar de forma comparativa as principais mudanças que estão sendo aprovadas, e os rumos que a contabilidade e o orçamento estão seguindo.

   O vídeo da palestra está disponível aqui.

 

  • 25/05/2016, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Analistas de mercado e modelos de séries temporais: Impacto da adoção do padrão IFRS na previsão de lucro das empresas, ministrada pelo doutorando Rafael Confetti Gatsios.

 

  • 27/04/2016, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Contabilidade para o Setor Petrolífero - Soluções Históricas para Problemas Contemporâneos, ministrada pelo pós-doutorando Doutor João Carlos de Aguiar Domingues

 

  • 30/03/2016, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Recomendações de ações e a formação de carteiras de investimento: um estudo no mercado acionário brasileiro, ministrada pelo doutorando Rafael Moreira Antônio.

 

  • 25/11/2015, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Panorama do atual contexto econômico brasileiro, ministrada pelo Prof. Dr. Marcelo Augusto Ambrozini.

 

  • 18/09/2014, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: A gestão dos conflitos de interesse na empresa familiar, ministrada pelo Prof. Dr. Marcelo Sanches Pagliarussi.

 

  • 27/11/2013, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Um olhar crítico sobre a avaliação de bens imóveis públicos no Brasil, ministrada pelo Prof. Dr. Carlos Alberto Grespan Bonacim.

 

  • 31/10/2013, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Adoção completa das IFRS no Brasil: qualidade das demonstrações contábeis e o custo de capital próprio, ministrada pelo Prof. Dr. Ricardo Luiz Menezes da Silva.

 

  • 07/05/2013, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: A contabilidade gerencial sob a ótica do mercado e da academia, ministrada pelo Prof. Dr. Cláudio de Souza Miranda.

 

  • 20/03/2013, às 19h15 no Anfiteatro Dr. Ivo Torres. Palestra: Estratégias de Crescimento de Redes de Franquia no Brasil, ministrada pelo Prof. Dr. Eugênio José Silva Bitti.
 

  IMG 9796

 

 

 

 

 

 

 

  

 IMG 5165

  

  

IMG 4605

 

 

 

   

  

20160427 205316

 ​

 

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • João Paulo Augusto Eça Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    10/01/2020, às 15h00 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Efeito das fontes de financiamento sobre a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa: evidências para o Brasil
    Autor: João Paulo Augusto Eça

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Maurício Ribeiro do Valle (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Tatiana Albanez (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Andrei Aparecido de Albuquerque (Universidade Federal de São Carlos - UFSCar)

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Botelho da Costa Moraes (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    Em mercados imperfeitos, caracterizados por forte presença de custos de falência, de custos de agência e de assimetria de informação entre os agentes, há imposição de restrição por parte dos credores à capacidade de financiamento externo das firmas. Com isso, considera-se que o investimento de empresas que sofrem restrição ao financiamento externo é dependente da geração de recursos internos (investimentos mais sensíveis ao fluxo de caixa). Entretanto, ao reconhecer a existência de características distintas entre as fontes de financiamento disponíveis, é possível que a restrição financeira sofrida pelas empresas possa ser diferente conforme a fonte de crédito utilizada pela empresa O que se questiona neste estudo é se as principais fontes de financiamento utilizadas pelas empresas são capazes de reduzir a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa e, consequentemente, a restrição financeira das firmas. Para responder a esta pergunta, o estudo contou com uma amostra de 153 companhias do setor industrial, tanto de capital aberto quanto de capital fechado, que foi subdividida entre firmas restritas financeiramente e não restritas (pelos critérios tamanho e rating). O modelo escolhido como base para as análises foi o de sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa, comumente utilizado em pesquisas que tratam de restrição financeira. Após as estimações, alguns resultados persistiram, a saber: i) a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa verificada para as empresas consideradas financeiramente restritas; ii) a relação não significativa entre as variáveis representativas do crédito bancário e subsidiado sobre a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa) e iii) a relação negativa e significante entre a participação moderada da dívida de mercado de capitais e a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa). Análises adicionais mostraram que as empresas que possuem participação moderada da dívida de mercado de capitais, em geral, têm maior heterogeneidade em sua estrutura de dívida, ou seja, acessam diferentes fontes de financiamento. Além disso, o estudo mostrou que as empresas que possuem acesso às diferentes fontes de financiamento aumentam seus investimentos nos períodos em que apresentam resultados adversos (queda do lucro ou, até mesmo, prejuízo contábil). Ao atingir resultados superiores nos exercícios subsequentes, essas empresas, em média, reduzem o volume de investimento. Tal comportamento explica, portanto, a sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa.

Atualização do site

  • Atualizado em: 13 Dezembro 2019, 18:58:35.