Como acontece a pesquisa no programa?

O aluno, ao entrar no curso de mestrado, realizará uma pesquisa suportada e apoiada em toda expertise do corpo de professores que faz parte do mestrado. As pesquisas de doutorado já contam com mais autonomia por parte do discente, mas ainda assim associadas aos projetos vigentes no programa.
Nosso mestrado estrutura a pesquisa em torno de Grupos de Pesquisa e Projetos Transversais. Tais projetos são iniciativas de pesquisa conjunta de docentes, para responder determinada questão que é social e economicamente relevante. Em torno destes projetos orbitam os centros e núcleos de pesquisa e os projetos individuais de docentes e de alunos.
Tudo no Programa é organizado para convergir à formação de pesquisadores que podem contribuir nestes Projetos Transversais, e atuar nos centros de pesquisa de forma a ter uma verdadeira experiência de pesquisa, de forma colaborada. A aderência a centros de pesquisa confere ao aluno a oportunidade de compartilhamento de referencial teórico, experiências, softwares, métodos e dados. Portanto, o Programa está estruturado em torno de projetos transversais, e seus respectivos projetos individuais.

 

Como o candidato deve escolher um projeto de pesquisa?

Os candidatos brasileiros ou estrangeiros que iniciam suas pesquisas no nosso mestrado ou doutorado, ou mesmo professores de outros centros realizando um pós-doutoramento no Brasil, aderem aos grupos e núcleos em torno destes projetos transversais.
O aluno, na entrada do curso, é incentivado a aderir aos projetos dos grupos de pesquisa. Isto pode ser feito escolhendo um, entre os projetos ofertados por docentes todo ano, para realizar no seu mestrado. A lista de projetos é publicada no site. Estes projetos são partes de iniciativas de pesquisas maiores, fazendo parte dele o aluno tem oportunidade de colaborar e viver o ambiente de pesquisa.
Os alunos também podem propor temáticas isoladas, de interesse próprio, neste caso, este deverá ser aceito por um dos orientadores nos primeiros 6 meses do programa.

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Filipe Casellato Scabora Open or Close

    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de Mestrado agendada na FEA-RP:

    Área:    Controladoria e Contabilidade
    Data:    30/09/2019, às 13h30 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Fatores determinantes da recuperação judicial considerando os fluxos de caixa das firmas
    Autor: Filipe Casellato Scabora

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Marcelo Botelho da Costa Moraes (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Fabiano Guasti Lima (FEA-RP) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Gustavo Saad Diniz (Faculdade de Direito de Ribeirão Preto - FDRP) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Flávio Luiz de Moraes Barboza (Universidade Federal de Uberlândia - UFU) - MCONF RNP

     

    Resumo: 

    Os efeitos da insolvência das organizações para os credores, acionistas e a sociedade em geral (stakeholders) levou, desde o início dos anos 1930, inúmeros pesquisadores a  investigarem as causas da falência, desenvolvendo modelos que buscassem prever (e prevenir) a ocorrência desses eventos. Ao longo dos anos, e com o desenvolvimento de novas ferramentas e tecnologias no campo da estatística e informática, esses modelos foram submetidos a um processo de evolução, o que permite, hoje, identificar-lhes por meio de seus componentes histórico-cronológicos, como sendo modelos teóricos (que focam nas causas qualitativas da falência), estatísticos (que focam nos sintomas da falência) e de inteligência artificial (que também focam nos sintomas da falência, mas com um componente tecnológico adicional). Os chamados modelos estatísticos destacaram-se, desde cedo, como parte do mainstream da pesquisa em previsão de insolvência, o que levou a uma concentração das pesquisas na área, mesmo em tempos mais recentes, quando o desenvolvimento tecnológico demonstra que os modelos de inteligência artificial podem apresentar resultados melhores. Muito além da controvérsia em torno da eficácia da grande maioria desses modelos para dados brasileiros, outros fatores justificam a necessidade de novos trabalhos na área: (i) o Brasil e o mundo experimentam, desde a crise mundial de 2008, um crescimento exponencial no número de falências e recuperações judiciais; (ii) no país, o advento da LRF em 2005 modificou significativamente o mapa de falências com a introdução da figura da recuperação judicial; e, por fim, (iii) as pesquisas na área, em sua maioria, além de adotarem modelos estatísticos clássicos, consideram como evento de interesse que pretendem observar, a ocorrência da falência ou a constatação da insolvência (técnica ou baseada em fluxos), quando, na verdade, existem inúmeros elementos que demonstram a supremacia da recuperação judicial como evento determinante a ser investigado. Outro fator que distingue os modelos clássicos dos modelos de inteligência artificial diz respeito a seleção das variáveis, majoritariamente indicadores financeiros extraídos de BP e DRE, mesmo diante das evidências de que os fluxos de caixa têm impacto mais decisivo nos ciclos de vida das organizações, o que inclui a necessidade de buscarem ferramentas para superar períodos de crise, como a recuperação judicial e a falência. Portanto, o objetivo desta pesquisa consiste no desenvolvimento de um modelo de previsão para dados brasileiros, que investigue, por intermédio das RNA, a existência de relação entre certos componentes da DFC e o fato de a entidade apresentar (ou não) pedido de  recuperação judicial como alternativa a insolvência, permitindo, ainda, a estimação desse lapso temporal. Espera-se que o modelo proposto seja capaz de aprimorar a capacidade preditiva da recuperação judicial em comparação com os modelos atuais e forneça maiores informações sobre as organizações em estado de insolvência, com inúmeras aplicações para o mercado e a academia.

  • André Feliciano Lino Open or Close

    Área: Controladoria e Contabilidade
    Curso: Doutorado
    Data: 23/09/2019, às 11h00 (horário de Brasília)
    Local: Sala da Congregação, bloco A da FEA-RP
    Título: As lógicas conflitantes no Tribunal de Contas e o enfraquecimento de sua relevância social
    Autor: André Feliciano Lino

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). André Carlos Busanelli de Aquino (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Ana Carla Bliacheriene (Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH/USP) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Richard Alan Batley (University of Birmingham) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Amon Narciso de Barros (Fundação Getúlio Vargas - FGV) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Diego Maganhotto Coraiola (University of Alberta) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Simone Leticia Raimundini Sanches (Universidade Estadual de Maringá - UEM) - webconferência MCONF

    Resumo: Tribunais de Contas são organizações de auditoria do setor público, responsáveis por fiscalizar as contas e entrega de serviços de mais de 5500 municípios no Brasil. Parte das suas atividades auxiliam a legitimar políticas públicas e a moldar o comportamento dos municípios auditados. Contudo, apesar desta potencial relevância, poucos estudos focaram nas dinâmicas internas do Tribunal de Contas, suas relações de poder e práticas desenvolvidas. Desta forma, esta tese busca, com base nos conceitos da teoria institucional sociológica, caracterizar quais as lógicas institucionais vigentes nos Tribunais de Contas, e como estas lógicas afetam a independência destas organizações e a disseminação de práticas inadequadas – pelas quais os Tribunais de Contas recentemente tornaram-se alvo da mídia. Os resultados apontam para a emergência de duas logicas institucionais conflitantes. A lógica elite-patrimonialista, é caracterizada pela busca a maximização (ou manutenção) de ganhos políticos, econômicos ou culturais de atores com poder (no caso, Conselheiros, dentro da organização) através de barganhas interpessoais. Por sua vez, a lógica técnico-profissional visa proteger o interesse público e otimizar o gasto de recursos pelos governos de forma objetiva e impessoal. Como as posições de poder dentro dos Tribunais de Contas estão, em geral, induzidas pela lógica elite-patrimonialista, um dos efeitos adversos é a manutenção de práticas associadas ao organizational wrongdoing, ou seja, que ferem princípios legais e morais. Ao mesmo tempo, a independência da função de auditoria é afetada por tais práticas enraizadas. Dessa forma, o artigo demonstra que a relevância social dos Tribunais de Contas é apenas latente, e precisa ser desbloqueada para atingir seu pleno potencial.

Atualização do site

  • Atualizado em: 17 Setembro 2019, 11:02:43.