O aluno pode solicitar bolsas de estudo Demanda Social-CAPES para os primeiros 6 meses do curso, período em que deverá preparar e submeter projeto de pesquisa em uma agência de fomento do Brasil, que ofereçam bolsas para mestrado como: FAPESP e CNPq ou do exterior.

Além destas oportunidades, alunos estrangeiros contam com auxilios especificos como o PEC/PG: aqui

A seguir descrevemos os diversos tipos de bolsas:

 

CAPES Demanda Social – alocada pela comissão coordenadora

Estas bolsas disponibilizadas pela CAPES são alocadas aos solicitantes de menor tempo de ingresso no curso e de maior nota geral nos testes de admissão entregues pelo candidato no seu processo seletivo.

O Programa dispõe de 10 bolsas de Mestrado e 8 para o Doutorado, as quais são realocadas semestralmente. 

Duração: máximo de 12 meses. 

Inscrições: divulgação das vagas e orientações pela Secretaria do Programa.

Uma deliberação interna da CCP-PPGCC, estabelece os critérios do PPGCC para concessão de bolsas DS-Capes.

Normas da CAPES sobre a concessão de bolsas:

 

FAPESP

Destina-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu para desenvolvimento de projeto de pesquisa que resulte em dissertação.

Submissão dos pedidos: fluxo contínuo.

Duração: máximo de 24 meses.

 

CNPq

Destina-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu.

O CNPq lança anualmente edital diretamente aos orientadores.

Submissão dos pedidos: semestral (março e agosto)

Duração: máximo de 24 meses.

Requisito básico: ter docente orientador.

 

Bolsas Programa Institucional de Doutorado Sanduíche no exterior (PDSE) - CAPES

 

Outras informações 

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Lucas Allan Diniz Schwarz Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    14/02/2020, às 17h00 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Incerteza sobre a política econômica e estrutura de capital: evidências no Brasil
    Autor: Lucas Allan Diniz Schwarz

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Flávia Zóboli Dalmácio (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). José Elias Feres de Almeida (Universidade Federal do Espírito Santo - UFES) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Fernando Dal-Ri Murcia (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Augusto Ambrozini (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    Este estudo procurou investigar como a incerteza sobre a política econômica afeta as decisões de alavancagem das empresas brasileiras listadas em bolsas de valores. Primeiras evidências sugerem que firmas não-financeiras listadas empregam menos dívidas em suas estruturas de capital em momentos de maior incerteza sobre a política econômica (Lv & Bai, 2019; Zhang, Han, Pan, & Huang, 2015). A partir de dados trimestrais de 163 firmas não-financeiras brasileiras listadas na B3 entre março de 2010 e março de 2019, foi verificado que as firmas não-financeiras da amostra responderam a níveis elevados de incerteza sobre a política econômica com maiores níveis de alavancagem, mesmo quando controla-se as condições macroeconômicas, contrariando a perspectiva clássica apresentada pela Teoria do Trade-off para a relação entre incerteza e alavancagem. Os achados deste estudo são,ao menos preliminarmente,consistentes comaTeoriadoMarketTiming. Os resultados persistem em especificações que procuraram minimizar possíveis problemas de endogeneidade.

Atualização do site

  • Atualizado em: 29 Janeiro 2020, 16:01:47.