A pesquisa científica ao contribuir diretamente com temas contemporâneos na sociedade brasileira, sobretudo na área de Ciências Sociais Aplicadas, potencializa o valor dos recursos aplicados pela própria sociedade. A Série de eventos "Academia e Demandas da Sociedade" objetiva trazer ao conhecimento dos pesquisadores os detalhes e particularidades das demandas de pesquisa regional e nacional. Entre inúmeros temas, são priorizados os alinhados às linhas temáticas do programa de pós-graduação. Nestas discussões surgem os temas das próximas dissertações de mestrado e monografias do departamento de contabilidade da FEARP.

 

Eventos realizados:

>> 15/04/2013: "Accountability e contratação de serviços". Prof. Richard Batley (Professor Emérito do Departamento de Desenvolvimento internacional da Escola de Governo da Universidade de Birmingham). Como parte do Workshop "Accountability, Governos Locais e Finanças Públicas". Realizaram também palestras Sr. Marcelo Barros Gomes (TCU) e Sr. Marcos Vinicius Braga (CGU). Debates com Profa. Cecilia Olivieri (EACH/USP) e Prof André Aquino (FEARP/USP).

 

>> 16/04/2013: "Contabilidade e Parceiras Público-Privadas". Prof. Ron Hodges (Professor do Departamento de Contabilidade da Escola de Negócios da Universidade de Birmingham). Como parte do Workshop "Accountability, Governos Locais e Finanças Públicas". Realizou também palestra o Prof. Francisco Anuatti (FEARP/USP). Debatedores Prof. Vinicius Martins (FEARP/USP), Prof. Elisabeth Andrade (UFU), Sr. Anderson Peixoto Jardim (PPP-ES) e Sr. Bruno Pires Dias (PPP-ES).

 

>> 17/04/2013: "Descentralização e Finanças Públicas". Prof. Paul Jackson e Prof. Simon De-Lay (Professores do Departamento de Desenvolvimento internacional da Escola de Governo da Universidade de Birmingham). Como parte do Workshop "Accountability, Governos Locais e Finanças Públicas". Realizou também palestra Sra. Selene Nunes (Ministério da Fazenda). Debatedor Prof. Ricardo Cardoso (EBAPE/FGV).

 

>> 18/04/2013: "Infraestrutura e crescimneto econômico". Prof. Klênio Barbosa (EESP/FGV). Como parte do Workshop "Accountability, Governos Locais e Finanças Públicas". Realizou também palestra Renato Pires (Secretaria Planejamento Ribeirão Preto). Debatedores professores da Universidade de Birmingham.

 

>> 04/03/2013: "Public Sector Reform, Accountability & PPPs" - Reforma do Setor Público, Prestação de Contas e Parceria Público-Privadas. Profa. Jean Shaoul (Professora emérita do Departamento de Contabilidade, Manchester Business School, University of Manchester).

 

>> 24/10/2012: The Evolution of  Public Administration in Brazil 1940/2010. Renato Pires da Silva Filho - Diretor do Departamento de Desenvolvimento Sócio-Econômico da PMRP, e conselheiro da FIPASE - Fundação Instituto Pólo Avançado da Saúde de Ribeirão Preto.

 

>> 06/12/2011: Parcerias Público-Privadas. O título do evento "Contabilidade e contratos de parcerias público-privadas: quais são as pautas de pesquisa da contabilidade que contribuiriam para o aprimoramento das PPPs no Brasil?" propõe a discussão de uma pauta de pesquisa no tema. Estarão presentes: Maurício Portugal Ribeiro (Especialista em aspectos legais de regulação de infraestrutura e sócio da Portugal Ribeiro, Dias & Prado Advogados) e  Bruno Ramos Pereira (Coordenador do site PPP Brasil). Mestre em Direito (LL.M.) pela Harvard Law School, Professor Mauricio Ribeiro foi um dos redatores do projeto de lei de PPP, que se tornou a Lei Federal nº 11.079/04, tendo atuado também como redator de parte da Lei Federal nº 11.096/06, que reformou a Lei Federal nº 8.987/95 (a Lei Geral de Concessões).

 

>> 22/11/2011: Setor Público: Sra Adriane R Brito: Gestão no Governo de Minas Gerais. Foi apresentado o Processo de Planejamento e Gestão do Governo de Minas, incluindo as etapas de Choque de Gestão, e as etapas "ESTADO PARA RESULTADOS", e "ESTADO EM REDE".

 
img_1581_1
jean_shaoul_3
Adriane_Ricieri
Mauricio_Ribeiro

 

 

 

Porque alinhar pesquisas com as demandas vigentes?

A escolha de projetos temáticos são iniciativas conjuntas dos diversos centros de pesquisa existentes no Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da FEARP. São iniciativas da coordenação e do Conselho do departamento, planejadas e revistas a cada periodo de 6 anos para agregar iniciativas de pesquisa em nível de mestrado e Iniciação Científica. São ações além dos projetos individuais de docentes. Neste sentido, a estratégia do Programa de Pós-Graduação, é nestes casos, incentivar a atenção à determinados temas emergentes na sociedade paulista e brasileira, que pode receber contribuições importantes das pesquisas produzidas. Ao mesmo tempo que não restringe pesquisas dos docentes, orienta a aplicação de parte de suas orientações nestas questões. Destaca-se que as temáticas nascem do próprio interesse do corpo docente, entre aquelas com maior potencial de interesse dos diversos grupos já estabelecidos.

 

Temas vigentes na agenda 2011-2017

- Setor público
- Contabilidade Ambiental
- Agronegócio

       

 

 

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • João Paulo Augusto Eça Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    10/01/2020, às 15h00 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Efeito das fontes de financiamento sobre a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa: evidências para o Brasil
    Autor: João Paulo Augusto Eça

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Maurício Ribeiro do Valle (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Tatiana Albanez (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Andrei Aparecido de Albuquerque (Universidade Federal de São Carlos - UFSCar)

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Botelho da Costa Moraes (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    Em mercados imperfeitos, caracterizados por forte presença de custos de falência, de custos de agência e de assimetria de informação entre os agentes, há imposição de restrição por parte dos credores à capacidade de financiamento externo das firmas. Com isso, considera-se que o investimento de empresas que sofrem restrição ao financiamento externo é dependente da geração de recursos internos (investimentos mais sensíveis ao fluxo de caixa). Entretanto, ao reconhecer a existência de características distintas entre as fontes de financiamento disponíveis, é possível que a restrição financeira sofrida pelas empresas possa ser diferente conforme a fonte de crédito utilizada pela empresa O que se questiona neste estudo é se as principais fontes de financiamento utilizadas pelas empresas são capazes de reduzir a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa e, consequentemente, a restrição financeira das firmas. Para responder a esta pergunta, o estudo contou com uma amostra de 153 companhias do setor industrial, tanto de capital aberto quanto de capital fechado, que foi subdividida entre firmas restritas financeiramente e não restritas (pelos critérios tamanho e rating). O modelo escolhido como base para as análises foi o de sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa, comumente utilizado em pesquisas que tratam de restrição financeira. Após as estimações, alguns resultados persistiram, a saber: i) a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa verificada para as empresas consideradas financeiramente restritas; ii) a relação não significativa entre as variáveis representativas do crédito bancário e subsidiado sobre a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa) e iii) a relação negativa e significante entre a participação moderada da dívida de mercado de capitais e a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa). Análises adicionais mostraram que as empresas que possuem participação moderada da dívida de mercado de capitais, em geral, têm maior heterogeneidade em sua estrutura de dívida, ou seja, acessam diferentes fontes de financiamento. Além disso, o estudo mostrou que as empresas que possuem acesso às diferentes fontes de financiamento aumentam seus investimentos nos períodos em que apresentam resultados adversos (queda do lucro ou, até mesmo, prejuízo contábil). Ao atingir resultados superiores nos exercícios subsequentes, essas empresas, em média, reduzem o volume de investimento. Tal comportamento explica, portanto, a sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa.

Atualização do site

  • Atualizado em: 13 Dezembro 2019, 18:58:35.