Perfil do Docente

 

Informações

 

Área de Pesquisa

Métodos Quantitativos em Finanças;
Análise de Séries Temporais;
Finanças de Empresas (Corporate Finance);
Gestão de Risco;
Mercado de Capitais.

 

Biografia

Pesquisador da Fapesp (2017/15181-1). Livre Docente em Métodos Quantitativos e Finanças, Doutorado em Administração , Mestre em Ciências, ambos pela Universidade de São Paulo e Matemático pela UFSCar. Pós Doutorado pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Professor Associado do Departamento de Contabilidade da FEA-RP da Universidade de São Paulo. Atualmente é Chefe de Departamento de Contabilidade, Membro Titular do CTA-Conselho Técnico de Administração e Membro Titular da Congregação da FEA-RP. Foi Vice-Chefe de Departamento de Contabilidade, Membro Titular da Comissão Coordenadora do PPGCC da FEA-RP e diversas representações. Foi representante da Congregação da FEA-RP no Conselho Universitário da USP, Membro Titular do Conselho Curador da Fundace. Consultor Ad Hoc da CAPES nos processos de Avaliação Quadrienal de 2017 e dos Cursos Novos em 2016. Referee de Revistas Internacionais: Advances in Scientific and Applied Accounting , Journal of Cleaner Production, African Journal of Business Management e das Revistas Nacionais: Revista de Contabilidade e Finanças, RAE - Revista de Administração de Empresas, RBFin - Brazilian Finance Review, BBR. Brazilian Business Review, BAR - Brazilian Administration Review. Pesquisador na área de Finanças, Métodos Quantitativos Aplicados à Gestão de Riscos e Valuation. Atualmente tem publicado suas pesquisas nos periódicos qualificados internacionais: Applied Economics, Physica A - Statistical Mechanics and its Applications, Journal of Cleaner Production, African Journal of Business Management, Contaduria y Administracion, Business Management Review. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Financeira, atuando principalmente nas áreas de finanças corporativas e mercado de capitais. Co-autor de seis livros e diversos trabalhos publicados em Congressos no país e no Exterior e em Revistas com Arbitragem. Consultor de Empresas nas áreas de Finanças Corporativas e Gestão de Riscos. Possui efetiva colaboração em pesquisa internacional, consubstanciada por parceria em 2017 com a UNCTAD - United Nations Conference on Trade and Development, em Trade, Environment, Climate Change and Sustainable Development Branch.

 

Artigos em Periódicos

  • Stock pricing in Latin America: The synchronicity effect

    EMERGING MARKETS REVIEW. vol. 39, p. 1-17, 2019

    lima, fabiano guasti; FIGLIOLI, BRUNO


  • Use of Derivatives and Analysts? Forecasts: New Evidence from Non-financial Brazilian Companies

    AUSTRALIAN ACCOUNTING REVIEW. vol. 29, p. 220-234, 2019

    RATHKE, ALEX AUGUSTO TIMM; lima, fabiano guasti; ANTÔNIO, RAFAEL MOREIRA; DOS SANTOS, ROGIENE BATISTA


  • Escolhas contábeis na demonstração dos fluxos de caixa em companhias listadas no novo mercado da B3

    REVISTA CONTEMPORÂNEA DE CONTABILIDADE. vol. 15, p. 143-165, 2018

    LIMA, Fabiano Guasti; MARTINS, V. A.; SILVA, Denise Mendes


  • Investigation of multifractality in the Brazilian stock market

    PHYSICA A-STATISTICAL MECHANICS AND ITS APPLICATIONS. vol. 499, p. 258-271, 2018

    LIMA, Fabiano Guasti; SILVA FILHO, Antônio Carlos da; DINIZ, Natalia


  • Os Determinantes dos Ratings de Crédito dos Bancos Brasileiros

    RAC. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA (ONLINE). vol. 22, p. 178-200, 2018

    FONSECA, Camila Veneo Campos; LIMA, Fabiano Guasti; SILVEIRA, R. L. F.


Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • João Paulo Augusto Eça Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    10/01/2020, às 15h00 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Efeito das fontes de financiamento sobre a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa: evidências para o Brasil
    Autor: João Paulo Augusto Eça

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Maurício Ribeiro do Valle (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Tatiana Albanez (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Andrei Aparecido de Albuquerque (Universidade Federal de São Carlos - UFSCar)

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Botelho da Costa Moraes (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    Em mercados imperfeitos, caracterizados por forte presença de custos de falência, de custos de agência e de assimetria de informação entre os agentes, há imposição de restrição por parte dos credores à capacidade de financiamento externo das firmas. Com isso, considera-se que o investimento de empresas que sofrem restrição ao financiamento externo é dependente da geração de recursos internos (investimentos mais sensíveis ao fluxo de caixa). Entretanto, ao reconhecer a existência de características distintas entre as fontes de financiamento disponíveis, é possível que a restrição financeira sofrida pelas empresas possa ser diferente conforme a fonte de crédito utilizada pela empresa O que se questiona neste estudo é se as principais fontes de financiamento utilizadas pelas empresas são capazes de reduzir a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa e, consequentemente, a restrição financeira das firmas. Para responder a esta pergunta, o estudo contou com uma amostra de 153 companhias do setor industrial, tanto de capital aberto quanto de capital fechado, que foi subdividida entre firmas restritas financeiramente e não restritas (pelos critérios tamanho e rating). O modelo escolhido como base para as análises foi o de sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa, comumente utilizado em pesquisas que tratam de restrição financeira. Após as estimações, alguns resultados persistiram, a saber: i) a sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa verificada para as empresas consideradas financeiramente restritas; ii) a relação não significativa entre as variáveis representativas do crédito bancário e subsidiado sobre a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade do investimento ao fluxo de caixa) e iii) a relação negativa e significante entre a participação moderada da dívida de mercado de capitais e a restrição financeira das empresas restritas (sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa). Análises adicionais mostraram que as empresas que possuem participação moderada da dívida de mercado de capitais, em geral, têm maior heterogeneidade em sua estrutura de dívida, ou seja, acessam diferentes fontes de financiamento. Além disso, o estudo mostrou que as empresas que possuem acesso às diferentes fontes de financiamento aumentam seus investimentos nos períodos em que apresentam resultados adversos (queda do lucro ou, até mesmo, prejuízo contábil). Ao atingir resultados superiores nos exercícios subsequentes, essas empresas, em média, reduzem o volume de investimento. Tal comportamento explica, portanto, a sensibilidade negativa do investimento ao fluxo de caixa.

Atualização do site

  • Atualizado em: 13 Dezembro 2019, 18:58:35.