Perfil do Docente

 

Informações

  • Titulação: Professor Titular
  • Currículo: Lattes
  • Telefone: +55 (16) 3315-4747
  • E-Mail: maisorib@usp.br
  • Grupo de Pesquisa: InCont

 

Área de Pesquisa

Contabilidade Ambiental;
Contabilidade Social;
Contabilidade Societária;
Contabilidade Geral.

 

Biografia

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1986), mestrado (1992) e doutorado (1998) em Controladoria e Contabilidade Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Obteve o título de livre docente (2005) na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, onde é professora titular do Departamento de Contabilidade, em regime RDIDP, desde 2010. Foi presidente da comissão de pós-graduação da FEA-RP/USP e coordenadora do programa de pós-graduação de controladoria e contabilidade da FEA-RP/USP. Foi diretora científica, no ano de 2017, da Anpcont - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação. Foi designada pela Capes como assessora na avaliação de programas de pós-graduação. É líder do grupo de pesquisa Estudos Socioambientais em Contabilidade; participa do grupo de pesquisa Informações Contábeis - Incont. É co-organizadora da Conferência Sulamericana de Contabilidade Ambiental, em conjunto com professores da UFRJ, UFBA, UnB e UFSC. Atua na área de contabilidade financeira, com ênfase em temas relacionados com sustentabilidade, como contabilidade ambiental, responsabilidade socioambiental, créditos de carbono, relato integrado e objetivos do desenvolvimento sustentável.

 

Artigos em Periódicos

  • Trinta anos de pesquisa em Remuneração Executiva e Retorno para o Acionista

    REVISTA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA EM CONTABILIDADE. vol. 11, p. 21-40, 2017

    RIBEIRO, MAISA SOUZA; ARAUJO, JULIANO AUGUSTO ORSI


  • MÉTRICA PROPOSTA PARA VALORAÇÃO DE ÁREAS AMBIENTAIS

    RAMA : REVISTA EM AGRONEGÓCIO E MEIO AMBIENTE. vol. 10, p. 1133-1159, 2017

    RIBEIRO, MAISA DE SOUZA; SANTOS, LUCAS JOSÉ MACHADO DOS


  • Os efeitos econômicos do rompimento de barragem de resíduos: divulgações nas demonstrações contábeis comparativamente à grande mídia

    REA UFSM. vol. 10, p. 100-116, 2017

    Toledo Junior, Márcio da Silva; RIBEIRO, MAÍSA DE SOUZA


  • Análise da evidenciação sobre a mensuração de ativos biológicos: antes e depois do CPC 29

    REVISTA CONTEMPORÂNEA DE CONTABILIDADE (UFSC). vol. 12, p. 73-98, 2016

    MANFIOLLI FIGUEIRA, LAÍS; DE SOUZA RIBEIRO, MAISA


  • A divulgação de provisões e passivos contingentes ambientais pelas empresas do setor de energia elétrica em comparação ao desenvolvimento da normatização da evidenciação contábil

    REVISTA UNIVERSO CONTÁBIL. vol. 12, p. 86-106, 2016

    RIBEIRO, M. S.; CUNHA, L. M dos S.


Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Lucas Allan Diniz Schwarz Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    14/02/2020, às 17h00 - horário de Brasília
    Local: 
    Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Incerteza sobre a política econômica e estrutura de capital: evidências no Brasil
    Autor: Lucas Allan Diniz Schwarz

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Flávia Zóboli Dalmácio (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). José Elias Feres de Almeida (Universidade Federal do Espírito Santo - UFES) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Fernando Dal-Ri Murcia (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - MCONF RNP

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Augusto Ambrozini (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    Este estudo procurou investigar como a incerteza sobre a política econômica afeta as decisões de alavancagem das empresas brasileiras listadas em bolsas de valores. Primeiras evidências sugerem que firmas não-financeiras listadas empregam menos dívidas em suas estruturas de capital em momentos de maior incerteza sobre a política econômica (Lv & Bai, 2019; Zhang, Han, Pan, & Huang, 2015). A partir de dados trimestrais de 163 firmas não-financeiras brasileiras listadas na B3 entre março de 2010 e março de 2019, foi verificado que as firmas não-financeiras da amostra responderam a níveis elevados de incerteza sobre a política econômica com maiores níveis de alavancagem, mesmo quando controla-se as condições macroeconômicas, contrariando a perspectiva clássica apresentada pela Teoria do Trade-off para a relação entre incerteza e alavancagem. Os achados deste estudo são,ao menos preliminarmente,consistentes comaTeoriadoMarketTiming. Os resultados persistem em especificações que procuraram minimizar possíveis problemas de endogeneidade.

Atualização do site

  • Atualizado em: 16 Janeiro 2020, 15:38:53.