NORMAS PARA ALUNOS ESPECIAIS

 

PROCESSO SELETIVO

Importante: conforme item 1.1 do Edital FEA-RP Nº028/2020, o processo seletivo poderá ser cancelado, antes do início do período de inscrições, a partir de análise conjuntural a ser realizada até o dia 31 de agosto.

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Jessâmine Thaize Sartorello Salvini Open or Close

    Área: Administração de Organizações

    Curso: Doutorado
    Data: 03/09/2020, às 08h30 (horário de Brasília)
    Local: Devido à contingência da COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link da transmissão ao vivo: stream.meet.google.com/stream/a86f43e0-62b8-4c66-8b38-988a9bf69601

    Obs: Apenas usuários com contas "@usp" podem acessar a transmissão. Caso usuários que não possuam estas contas queiram assistir a sessão, deverão nos enviar (com antecedência) e-mail para "posgrad@fearp.usp.br" e enviaremos as instruções.

    Título: Análise configuracional das proximidades em alianças de inovação
    Autor: Jessâmine Thaize Sartorello Salvini

    Banca: Prof(a). Dr(a). Simone Vasconcelos Ribeiro Galina (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Maria Teresa Gomes Valente da Costa (Instituto Politécnico de Setúbal)

    Prof(a). Dr(a). Lesley Carina do Lago Attadia Galli Borini (Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho - UNESP)

    Prof(a). Dr(a). Antonio Carlos Pacagnella Júnior (Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP)

    Prof(a). Dr(a). Flávia Oliveira do Prado Vicentim (Agência USP de Inovação

    Prof(a). Dr(a). Lara Bartocci Liboni Amui (FEA-RP)

    Resumo: 

    As alianças se tornaram fatores críticos para o desenvolvimento da inovação. Contudo, a falta de proximidade entre os parceiros, que vai além do posicionamento geográfico, envolvendo aspectos cognitiva, social, organizacional e institucional, pode influenciar os resultados das empresas. Apesar desse entendimento, faltam estudos que avaliem a configuração e a dinamicidade das proximidades em alianças de inovação. Nesse caminho, propomos, com este trabalho compreender como a inter-relação das proximidades influencia as alianças de inovação. Para perscrutarmos esse caminho, investigamos as configurações, o dinamismo e mecanismos de compensação das proximidades em alianças de inovação exploration (acesso a novos conhecimentos) e exploitation (reforço ao conhecimento existente). A partir de uma abordagem qualitativa, o estudo foi dividido em dois métodos: a Análise Qualitativa Comparativa (QCA) e o estudo de caso. Na QCA, a partir de uma survey com 174 respondentes, analisamos as configurações causais das proximidades para alianças de inovação. Os resultados encontrados no contexto de parceiros próximos geograficamente evidenciam que, por um lado, as alianças de exploration são dependentes de proximidade social, combinadas com a proximidade cognitiva ou a institucional, por outro, as alianças exploitation são dependentes de proximidade cognitiva e social, somado com ausência de proximidade organizacional. Destacamos a necessidade da proximidade social em todas as configurações. No estudo de caso, entrevistamos três empresas a fim de averiguar a alteração das proximidades no tempo e seus mecanismos de compensação. Com efeito, comprovamos que as proximidades não são apenas mecanismos estáticos, mas também dinâmicos e inter-relacionados. Todas as proximidades não-geográficas se intensificaram no decorrer do tempo, ratificando, assim, a sua dinamicidade. Observamos a relação de substituição entre as proximidades organizacional e institucional, apoiadas pela proximidade social. A falta de proximidade cognitiva foi compensada pelas proximidades institucional, social e geográfica, já o distanciamento geográfico compensou-se pelas proximidades não-geográficas. Em suma, compreendemos que a orientação inovadora das alianças não depende do desenvolvimento de todas as dimensões e que as proximidades precisam ser analisadas de forma combinada, já que nenhuma configuração se mostrou eficiente com apenas uma dimensão. Ademais, nosso escopo de trabalho propôs avanços quando demonstramos que a combinação de proximidades tende a ser diferente de acordo com a orientação de inovação. Finalmente, as alianças internacionais de inovação devem focar mais no fomento da confiança, na sobreposição de conhecimento, na estrutura de comando e alinhamento cultural, pois o distanciamento geográfico se mostrou irrelevante.