Apresentação

Em abril de 1992, a FEA de Ribeirão Preto foi instalada como uma extensão da Unidade do "Campus" de São Paulo.

Dez anos mais tarde, no dia 14 de maio de 2002, o Conselho Universitário (Co) da USP aprovou a proposta de emancipação da Unidade de Ribeirão Preto. Há um bom tempo a escola reunia condições para se tornar uma nova Unidade de Ensino e Pesquisa da USP. Totalmente integrada ao "Campus" de Ribeirão Preto e engajada em atividades de ensino, pesquisa e extensão, a FEA-RP vem ampliando cada vez mais sua atuação e excelência.

No início do segundo semestre de 1999, a Comissão de Pós-Graduação da FEA/USP, em São Paulo, aprovou o oferecimento de disciplinas, em Ribeirão Preto, que seriam o "embrião" para a criação dos programas de pós-graduação "stricto sensu". Em fevereiro de 2002 tiveram início as primeiras turmas do Programa de Pós-Graduação em Administração da FEA/USP, cursos de mestrado e doutorado, no "Campus" de Ribeirão Preto.

Ao longo de 2003 o Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações da FEA-RP foi aprovado pelas instâncias competentes junto à USP e à CAPES. No início do ano de 2004 teve início o curso de Mestrado em Administração de Organizações. E em 2010 houve o ingresso da primeira turma do curso de Doutorado.

 

Objetivos

Os cursos de Mestrado e Doutorado em Administração de Organizações têm por finalidade promover a formação de docentes, pesquisadores e profissionais de alto nível para atender às demandas acadêmicas e do ensino superior, na área de Administração de Organizações.
O Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações incentiva o livre pensamento e todas as formas de acesso à revitalização dessa área do conhecimento e, assim, poder contribuir para evolução científica e tecnológica da Administração.

São objetivos específicos do Mestrado e Doutorado em Administração de Organizações:

  • Tornar um centro de pesquisa reconhecido, primeiramente nacional, depois internacionalmente;
  • Desenvolver trabalho de qualidade que possibilitem manter elevado o número de publicações docentes e com equilíbrio entre os docentes membros do programa; focar publicação em periódicos internacionais com avaliação pelo Journal Citation Reports; Ampliar as publicações dos alunos de mestrado e doutorado em periódicos nacionais e internacionais;
  • Manter elevado o número de estudantes de graduação com envolvimento em atividades de pesquisa;
  • Institucionalizar os grupos de pesquisa ligados ao Departamento de Administração;
  • Buscar internacionalização do programa e das pesquisas realizadas em seu âmbito;
  • Criar uma estrutura para mediar e julgar aspectos éticos relacionados às pesquisas em administração;
  • Estimular pesquisas e cooperações com outros centros de regiões menos desenvolvidas;
  • Relacionar a extensão com os projetos de pesquisa procurando ampliar os resultados do programa para a sociedade brasileira;
  • Ampliar a divulgação dos resultados das pesquisas para a sociedade acadêmica e  em especial para sociedade paulista que financia a Escola;
  • Inserir os alunos de Pós Graduação em atividades culturais e de extensão.

 

Infraestrutura

Laboratórios:

1. Infraestrutura específica para alunos de Pós-graduação:

Sala de Pós-Graduação – FEA-RP

- Possui 5 computadores, software neles instalados:

Sistema Operacional: Microsoft Windows XP Professional

Pacotes de escritório: Microsoft Office Professional Edição 2003 e BrOffice.org 2.0

Navegadores: Internet Explorer e Mozilla Firefox

Software Específicos: EViews, S-PLUS, SPSS, Skype, Adobe Reader, PDFCreator, Economatica e Stata 9.

- Possui 15 Terminais(thinclients), software instalado no servidor dos terminas:

Sistema Operacional: Microsoft(R) Windows(R) Server 2003, Standard Edition

Pacote de escritório: Microsoft Office Professional Edição 2003

Navegadores: Internet Explorer e Mozilla Firefox

Software Específicos: Inspiration 8 IE, OxEdit 4.10, OxMetrics, S-PLUS 6.1 PROFESSIONAL, S-PLUS FinMetrics, Stat/Transfer, Adobe Reader, PDFCreator, Stat/Transfer, Stata 9 e Economatica.

2. Infraestrutura comum para Alunos de Pós-graduação e de Graduação

2.1 Laboratórios:

 

(a) Centro de Informação

Entre os softwares e bases de dados especializados encontram-se as disposições dos usuários:

AVG Free Edition

Ad-Aware 2007 7.0.1.3

Ad-Aware SE Personal 1.06

Adobe Flash Player Plugin 9.0.45.0

Adobe Reader 8.1.1

Adobe Shockwave Player 10.2.0.23

Atlas.ti

BrOffice.org 2.0 2.0.9073

CMA Series 4 1.07

CWFREE 8.2

DirectX 9c 4.09.00.0904

Economática

EViews 3.1

Filzip 3.06 3.0.6

Internet Explorer 7.0.5730.13

Java(TM) 6 Update 5 1.6.0.50

Java(TM) SE Development Kit 6 Update 3 1.6.0.30

Java(TM) SE Runtime Environment 6 Update 1 1.6.0.10

Lernout & Hauspie TruVoice American English TTS Engine

Microsoft Internationalized Domain Names Mitigation APIs

Microsoft Office XP Professional com FrontPage 10.0.6626.0

Microsoft Windows XP Professional 5.1.2600

Mozilla Firefox (2.0.0.12) 2.0.0.12 (pt-BR)

MySQL Connector/ODBC 3.51 3.51.12

NetBeans IDE 5.5.1

PDFCreator 0.9.3

Pacote de Compatibilidade para o sistema Office 2007 12.0.6215.1000

Sphinx

S-PLUS 6.1

S-PLUS 6.1 PROFESSIONAL Edition Release 1 6.1

S-PLUS FinMetrics Module in 'C:\Arquivos de programas\Insightful\splus61'

SPSS 8.0 for Windows Student Version

SPSS for Windows 10.0

STATA 9

Também estão disponíveis os seguintes softwares de modelagem e apoio a decisão e de usos variados: Mapinfo, SGT - micro, OX, PC Give Professional, PC Gets e Stamp, Decision Tools, Knowledge Excelerator, ILOG e Neuralist.

Destaca-se disponibilidade de bases com microdados, dentre as quais, dados do IBGE: BIM, Censo Agropecuário, Censo Demográfico, Contagem de População, ENCINF, PIA, PINTEC, PME, PNAD, POF e PPV; dados do Ministério do trabalho: Rais, CAGED; dados do Ministério da educação: Enade, PNERA, Censo da Educação Superior, Censo Escolar, Enem, Saeb; dados do SEADE: PAEP, PED; CD´s de congressos como ANPEC, ENANPAD e Congresso brasileiro de custos, entre outros, além das informações por assinatura como Investnews e IOB.

(b) Laboratórios de Ensino de Informática Aplicada, destinados às aulas práticas e treinamentos. Encontram-se disponíveis 2 laboratórios (LEIA 1 e LEIA 2 ), cada um com 20 microcomputadores e respectivos softwares:

Sistema Operacional: Microsoft Windows XP Professional

Pacotes de escritório: Microsoft Office Professional Edição 2003 e BrOffice.org 2.0

Software Específicos: PDFCreator, Crystalball, EViews, Lindo, Lingo, R for Windows, S-Plus, XTD-C e CMA.

(c) Laboratório de Pesquisa (LAPE) – 20 Terminais (thinclients) software instalado no servidor dos terminas:

Sistema Operacional: Microsoft(R) Windows(R) Server 2003, Standard Edition

Pacote de escritório: Microsoft Office Professional Edição 2003

Navegadores: Internet Explorer e Mozilla Firefox

Software Específicos: Inspiration 8 IE, OxEdit 4.10, OxMetrics, S-PLUS 6.1 PROFESSIONAL, S-PLUS FinMetrics, Stat/Transfer, Adobe Reader, PDFCreator, Stat/Transfer, Stata 9 e Economatica.

2.2.Biblioteca

Acervo Geral da Biblioteca Central do Campus de Ribeirão Preto

- 100.379 Livros;

- 1.003 Títulos correntes de Periódicos;

- 4.020 Títulos não correntes de Periódicos;

- 5.023 Títulos de Periódicos;

- 606 Títulos pagos (correntes) de Periódicos com acesso on-line;

- 15.808 Teses;

- 65.311 Trabalhos científicos publicados pelo corpo docente do Campus de Ribeirão Preto.

Acervo da Biblioteca da FEA/USP:

- 115.058 itens bibliográficos (Livros, teses, folhetos, vídeos etc);

- 104.408 Livros;

- 6.885 Teses / Dissertações;

- 600 Periódicos em papel = fascículos: 42.787 e 978 multimeios - mídias digitais como vídeos, DVD's, CD's etc;

- 3.000 Periódicos com texto na íntegra.

A FEA-RP/USP conta ainda com o acesso, por intermédio da Universidade de São Paulo, a importantes bases de periódicos disponíveis 'on line', algumas delas em convênio com a própria CAPES. As bases incluem journals internacionais de primeira linha, como é o caso do JSTOR, assim como uma extensa lista de journals de qualidade e especializados por temas, sejam internacionais (por exemplo, PROBE e SCIENCE DIRECT) ou nacionais (como o SCIELO). A seguir, apresenta-se a lista completa das bases de periódicos disponíveis:

- http://www.jstor.org/

- http://www.scielo.br/

- http://www.periodicos.capes.gov.br/

- http://www.probe.br/

- Editora Elsevier http://www.sciencedirect.com

- Editora Kluwer http://www.kluweronline.com

- Editora Taylor and Francis http://www.tandf.co.uk/journals/default.html

- Editora Springer

Há um convênio entre as bibliotecas da FEA-RP/USP e a FEA/USP, uma das bibliotecas mais completas da América Latina, na qual os alunos e professores podem ter acesso ao acervo de ambas unidades, inclusive acesso virtual ao ProQuest.

O acervo físico da biblioteca pode ser consultado por meio do sistema Dedalus, que integra as bibliotecas da USP. Ele é um banco bibliográfico alimentado pelo acervo das 39 bibliotecas da USP. A consulta permite que a pesquisa seja feita de forma global (em todas as 39 bibliotecas) ou específica (na biblioteca desejada). A estratégia de busca utiliza lógica booleana. Sua plataforma é o software Aleph da empresa Ex-libris;

Além do acervo físico, a biblioteca também oferece acesso a materiais de outras unidades, de outros países e bases de dados de acesso virtual.

As bases de dados a que se tem acesso são:

1) ProQuest: É uma base de dados exclusiva à comunidade FEA (via rede e acesso por senha) e de livre acesso à comunidade em geral na consulta à estação local, sem custo para a pesquisa (apenas com pagamento das páginas impressas). O ProQuest é uma das bases de dados mais utilizadas no mundo, que oferece acesso a textos completos de publicações científicas do mundo todo.

2) Dissertation Abstracts: Essa base é disponibilizada pelo SIBI - Sistema Integrado de Bibliotecas da USP e contém dissertações e teses do mundo todo, desde o ano de 1997. A pesquisa na base permite o acesso às 24 primeiras páginas em texto completo. Caso haja interesse, o usuário poderá adquiri-la em diversos formatos: folha solta, encadernada, brochura, etc., variando o valor de acordo com a escolha. Em média, cada dissertação custa US$ 40. Também utiliza a lógica booleana como estratégia de busca.

3) Base CAPES de Revistas Eletrônicas: Contém coleções de periódicos em texto integral, disponibilizadas para as instituições de ensino superior. O acesso é restrito aos limites dos campi dessas universidades.

4) COMMUT - Comutação Bibliográfica: solicitação de artigos de periódicos, teses e trabalhos de eventos existentes em outras bibliotecas nacionais e estrangeiras, mediante pagamento, cujo valor é estipulado pelo IBICT. Esse sistema permite a consulta e empréstimo de materiais de outras bibliotecas, incluindo-se aí as bibliotecas da USP, da FGV e inclusive bibliotecas internacionais. A biblioteca da FEA USP atua, de maneira significativa, como fornecedora de materiais emprestados para outras bibliotecas.

5) Reuters

6) Biblioteca digital de teses da USP

7) EBSCO

2.3. Recursos de Informática

Os recursos de informática da FEA-RP são gerenciados de forma centralizada, contando com uma equipe 2 analistas, 3 técnicos e 1 estagiário que prestam suporte e realizam os desenvolvimentos necessários junto aos laboratórios, salas de aula e de professores.

Os recursos gerais de apoio às atividades da escola são descritos abaixo:

1 Servidor de rede com Windows Server;

3 Servidor de rede com Linux

2 Servidores de rede com FreeBSD

250 microcomputadores rodando em plataforma Windows XP Professional, 2000 e Office XP Professional e 2003

2 canhões para canhão de projeção com tela

21 Projetores Multimídia da FEA-RP;

15 Retroprojetores da FEA-RP;

5 Televisores da FEA-RP;

3 Aparelhos de videocassete da FEA-RP;

4 Aparelhos de DVD.

A USP centraliza a aquisição de softwares contratando licenças institucionais de vários aplicativos científicos, que são distribuídas para todos os interessados na Universidade. Os aplicativos contratados no momento são:

Programa Licenças

Gaussview 2 ilimitado

Gauissian 03 ilimitado

Maple ilimitado

Matlab 1300

SAS 300

S-PluS ilimitado

Statistica ilimitado

Para a obtenção desses aplicativos, os interessados devem enviar pedido por e-mail, fornecer seus dados e aguardar resposta com as instruções específicas para o software de interesse. A obtenção dessas licenças é livre de custo.

3. Outras Informações:

A FEA-RP é constituída de três edifícios, sendo um edifício central, com atividades administrativas, didáticas e laboratórios; um bloco exclusivo para professores e um terceiro bloco destinado às atividades didáticas.

A FEA-RP conta com 17 salas de aula, todas com projetor, microcomputador e ar condicionado, sendo:

1 sala para 36 pessoas;

9 salas para 45 pessoas;

1 sala para 50 pessoas;

4 salas para 65 pessoas;

1 sala para 70 pessoas;

1 sala para 90 pessoas;

1Anfiteatro com capacidade para 120 pessoas.

O Campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP - Ribeirão) oferece duas opções de hospedagem aos alunos de pós-graduação. A primeira diz respeito à Moradia Estudantil da pós-graduação, que conta com 40 vagas, sendo os alunos selecionados por critérios sócio-econômicos. A segunda opção consiste na Casa de Hóspedes que, situada no Campus, oferece hospedagem a preços módicos, com duas casas totalizando 23 leitos.

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • José Marcelo de Castro Open or Close

    Seguem informações a respeito de defesa de tese de Doutorado agendada na FEA-RP:Área: Administração de Organizações

    Curso: Doutorado
    Data: 11/10/2019, às 14h30 (horário de Brasília)
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Análise distributiva de custo-efetividade da política de combate à hanseníase no Brasil entre os anos de 2006 e 2015: proposta de um modelo de avaliação de equidade em Política Pública
    Autor: José Marcelo de Castro

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Cláudia Souza Passador (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Jair Licio Ferreira Santos (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - FMRP)

    Prof(a). Dr(a). Aldaísa Cassanho Forster (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - FMRP)

    Prof(a). Dr(a). Vicente da Rocha Soares Ferreira (Universidade Federal de Goiás - UFG)

    Prof(a). Dr(a). Marco Andrey Cipriani Frade (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - FMRP)

    Prof(a). Dr(a). Mirna Lima Medeiros (Universidade Estadual de Ponta Grossa)

     

    Resumo: 

    Este estudo foca-se na política de combate à hanseníase, doença infectocontagiosa, curável por um baixo custo unitário e passível de controle/erradicação. Porém, sua agudização pode causar incapacidades físicas permanentes, prejuízos às atividades funcionais e comorbidades. Mais de 200 mil novos casos da doença são registrados anualmente no mundo, dos quais 97% em países em desenvolvimento, o que tem conduzido a associação entre sua ocorrência e baixos níveis de condições de vida. No Brasil, apesar da redução anual sistemática, foram registrados 28.761 novos casos de hanseníase, em 2015 – a segunda maior incidência mundial – e, elevado coeficiente entre os menores de 15 anos (4,46/100.000 hab.). Esta pesquisa objetiva integrar informações específicas da saúde aos dados gerenciais do Ministério da Previdência, com o intuito de avaliar a política de combate à hanseníase, de maneira que a estruturação possa ser usada em outros estudos ligados à Saúde, focando sua eficiência em diferentes estratos sociais, sob a ótica da Análise de Custo-Efetividade (ACE). Trata-se de um estudo descritivo e exploratório, de abordagem quantitativa. Estudo de abrangência nacional no qual a população em estudo contempla todos os residentes no país, em todas as faixas de idades, gêneros e raças, com diagnóstico positivo de hanseníase, cadastrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) no período 2006-2015, em cada município do Brasil. Foram selecionadas variáveis socioeconômicas (PNUD), educacionais (IDHM) e demográficas (IBGE), que compuseram o cenário epidemiológico nacional e submetidas à Análise de Componentes Principais, de modo que representassem o fenômeno epidemiológico da hanseníase da maneira mais abrangente possível no contexto brasileiro. Foram avaliadas variáveis socioeconômicas amplas para se fazer os agregamentos necessários, disponíveis para todo território nacional. A escolha das variáveis deu-se permeada pela literatura dos Determinantes Sociais de Saúde relacionadas à pobreza, desigualdade e condições de vida e saúde. Os custos foram calculados com base nos dados de produção ambulatorial e hospitalar, do Ministério da Saúde. Para a mensuração do desfecho em saúde, foi utilizado o DALY, segundo o método proposto pelo Global Burden of Disease. A avaliação foi feita com base em análise gráfica e na comparação da Razão Incremental de Custo-Efetividade. Os resultados apontam para a predominância de gênero em relação às concessões de benefícios; as regiões Sul e Sudeste concentram a maioria das concessões de benefícios. A análise do DALY ratificou que em locais de maiores dificuldades socioeconômicas e de saúde, a perda de anos de vida por incapacidade ou morte foi mais intensa reduzindo-se paulatinamente nos demais grupos analisados. Conclui-se que, o método de avaliação utilizado foi satisfatório para a avaliação da política de hanseníase no Brasil, tanto do ponto de vista da agregação feita, condizente com a realidade nacional.