Quinta, 30 Mai 2019 16:51

Endividamento familiar cresceu em fevereiro

Avalie este item
(0 votos)

Dados do Boletim Crédito mostram que houve aumento do endividamento das famílias tanto na comparação mensal quanto na anual. Em relação a janeiro de 2019, o percentual da renda familiar comprometido com dívidas aumentou em 0,32 p.p. em fevereiro, sendo que no acumulado dos últimos 12 meses o aumento foi de 1,66 p.p.

 

O boletim foi elaborado sob coordenação do professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, Luciano Nakabashi, com a participação dos pesquisadores Francielly Almeida e Caio Vinicius da Silva Albanezi.

 

O estoque das operações de crédito cresceu: na comparação entre fevereiro de 2019 e o mesmo mês de 2018, as operações cresceram 3,0% no país. No estado de São Paulo e na Região Metropolitana da capital, as operações de crédito registraram crescimento de 9,2% e 10,5%, respectivamente. Uma pequena variação positiva foi percebida no interior de São Paulo: 0,8%. A maior retração ocorreu no crédito destinado ao agronegócio: queda de 6,7%.

 

Foi a segunda alta consecutiva do estoque de crédito em 2019, com um avanço mais significativo no estado de São Paulo. O Banco Central aponta que a expansão mais expressiva do saldo das operações no estado de São Paulo foi no crédito destinado às pessoas físicas (9,5%), com destaque para as modalidades de crédito pessoal e financiamento de veículos.

 

A recuperação do crédito reflete, principalmente, o avanço das operações de empréstimos de recursos livres, principalmente, crédito pessoal. Segundo os pesquisadores “a expectativa para o segundo trimestre do ano de 2019 é de aumento de novas concessões de crédito para as grandes, micro, pequenas e médias empresas, além do crédito para pessoas físicas, consumo e crédito habitacional”.

 

Sobre o cenário futuro, os pesquisadores alertam: “embora os dados e as perspectivas revelem melhora no crédito, o quadro ainda é de cautela, pois a confiança ainda não se estabilizou e a economia vem mostrando resultados pouco satisfatórios, com desempenho fraco da indústria e do mercado de trabalho”.

 

Por: Leonardo Rezende, Assessoria de Comunicação da FEA-RP.

Lido 461 vezes