Quarta, 30 Outubro 2019 12:55

Maior volume de exportação brasileira continua sendo a soja

Avalie este item
(0 votos)

 

A soja continua a ser o produto mais exportado pelo Brasil, mesmo com queda de 10,9%. Os dados são do Boletim de Comércio Exterior de outubro de 2019, que analisou dados entre setembro de 2018 e setembro de 2019. O periódico é organizado pelos pesquisadores Armando Henrique e Eduardo Teixeira, com coordenação do professor Luciano Nakabashi da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP.

 

A China, apesar de liderar a compra de vários produtos do Brasil, diminuiu a aquisição de soja. Ainda assim, manteve sua posição de maior comprador: sozinha, é responsável por 80% das vendas de soja ao exterior.

 

Em segundo lugar, os óleos brutos de petróleo tiveram aumento no mesmo período, de 15,4%. Nesse segmento, a China aumentou suas compras em 42,9%. Já os minérios de ferro e seus concentrados aparecem em terceiro lugar, e também tem a China como maior comprador. O segundo maior comprador desses produtos, a Malásia, aumentou suas compras em 97,8%.

 

E, em quinto e último lugar das exportações nacionais analisadas aparece o milho, que teve um aumento de 64,8% em seu valor exportado no período. Houve um aumento de 165% das exportações para o Vietnã, tornando-o o segundo maior comprador desse produto.

 

No estado de São Paulo, as exportações de óleos brutos de petróleo ou minerais betuminosos lideram, com aumento de venda para China, Uruguai e Estados Unidos. Outros veículos aéreos, espaciais e suborbitais aparecem em terceiro lugar com aumento de 9,4% no período. Estados Unidos continuam como maior comprador desse setor.

 

Para a região metropolitana de Ribeirão Preto (RMRP) o principal produto exportado foi o açúcar de cana ou de beterraba e sacarose, totalizando US$ 688 milhões apesar da queda quando comparado ao período anterior. Os principais exportadores mudaram de Índia, Nigéria e Argélia para Bangladesh, Arábia Saudita e China.

 

A cidade de Ribeirão Preto apresentou queda em quatro de seus cinco produtos mais exportados: estanho em formas brutas, minérios de estanho e seus concentrados, instrumentos e aparelhos para medicina, cirurgia, odontologia e veterinária e preparados de alimentação animal.

 

Por: Maria Paula Soeltl, Assessoria de Comunicação da FEA-RP.

Lido 120 vezes