Segunda, 25 Fevereiro 2013 09:15

Entidades estudantis opinam sobre as recomendações da Comissão Pró-Calouro

Avalie este item
(5 votos)

As atuais gestões da Atlética e Centro Acadêmico da Faculdade falaram sobre o comunicado e recomendações da Comissão Pró-Calouro com relação ao trote na Unidade. Além disso, o aluno Lucas Nobrega Augusto, ex-presidente da Atlética, também expressou sua opinião sobre o assunto. Confira as entrevistas:

 

Diego Armando Fernandez Gallego, presidente da Associação Atlética Acadêmica Flaviana Condeixa Favaretto:


- Qual sua avaliação sobre a repercussão das recomendações da Comissão Pró-Calouro até agora?

Na minha opinião a repercussão foi muito negativa, e a imagem da diretoria e da Comissão ficou muito abalada perante os alunos. Muitos não gostaram das atitudes da Faculdade por acreditarem que suas pesquisas foram infundadas. Alguns alunos, inclusive, que participaram da pesquisa se sentiram ofendidos por usarem os resultados sendo que não sabiam o real motivo da pesquisa, e afirmando que a mesma estava muito mal formulada. A faculdade pode ter se precipitado um pouco na divulgação de seus resultados e tomado ações muito drásticas sem necessidade. E vale ressaltar, o trote sempre foi optativo, ninguém nunca foi obrigado a sofrer algum tipo de trote, seja "leve", seja "humilhante".

 

- Como os alunos receberam as recomendações?
Receberam da pior maneira possível, um dia antes da matrícula e por uma notificação enviada pelo Facebook. Inclusive, muitos "bixos" não gostaram das atitudes tomadas, esperavam e queriam tomar trote, porém os veteranos estavam sendo intimidados pela comissão que não deixou nem o "bixo" rolar na lama.

 

- Quais são os planos da Atlética para lidar com essa situação nesse ano?

A Atlética assim como a grande maioria dos alunos é a favor do trote, e acredita que este é fundamental para quem acaba de entrar na faculdade. A Atlética irá apoiar e incentivar o trote sadio, como tinta, mantendo seu posicionamento e argumento inicial.

 

 

Gustavo Fávero, presidente do Centro Acadêmico Flaviana Condeixa Favaretto:


- Qual sua avaliação sobre a repercussão das recomendações da Comissão Pró-Calouro até agora?
A Comissão não foi bem recebida pelos alunos na FEA-RP. As imposições foram consideradas truculentas. Todavia, os objetivos da Comissão foram visivelmente atingidos, não ocorrendo trotes na Faculdade.

 

- Como os alunos receberam as recomendações?
Como eu disse, foram mal recebidas, mas foram cumpridas.

 

- Quais são os planos do Centro Acadêmico para lidar com essa situação nesse ano?
Organizar uma assembleia entre os alunos e o professor Calia [Rogério Calia, membro da Comissão Pró-Calouro FEA-RP] para que esse assunto possa ser exposto de forma mais clara.

 

 

Lucas Nobrega Augusto, ex-presidente da Atlética e aluno do 4º ano de Economia:


- Qual sua avaliação sobre a repercussão das recomendações da Comissão Pró-Calouro até agora?
Primeiramente gostaria de falar do meu posicionamento em relação ao trote e como ele foi construído. Fui membro ativo da Atlética em 2011, presidente em 2012 e estou acompanhando, a certa distância a gestão 2013. Logo, as opiniões tratadas aqui são pessoais e relativas a esses anos, apesar de que essa opinião que tenho a respeito do trote foi criada principalmente na entidade, portanto ouso dizer que essa linha de pensamento vem desde a origem da entidade. A repercussão à proibição dos trotes na FEA-RP ocorreu principalmente por que foi realizada de modo arbitrário, ou seja, os alunos não foram consultados e as entidades foram meramente comunicadas, em um ambiente em que o diálogo deve ser priorizado. O que é, a meu ver, o pior é que em uma Faculdade em que as estatísticas estão tão presentes e são ditas como fundamentais para a elaboração de pesquisas e formação de dados, a proibição foi baseada em uma pesquisa que pode ser questionada na medida em que a amostra selecionada não foi escolhida aleatoriamente comprometendo, assim, os requisitos básicos que, nos foram ensinados, para que uma pesquisa não seja viesada; além da tentativa de mensurar conceitos, como o de humilhação, que podem ser considerados relativos e imensuráveis; a pesquisa foi realizada sob uma conjuntura tendenciosa, aplicada como a prova final que decidiria a aprovação dos "bixos", ou seja, não havia possibilidade de não respondê-la e como o professor da disciplina manifestou sua opinião contrária ao trote, os alunos poderiam ter se sentido intimidados a demonstrar aprovação a prática do trote. Nenhuma pessoa gosta de medidas autoritárias, principalmente os alunos da FEA-RP que fazem parte da elite intelectual brasileira e tem conhecimento suficiente para replicar todos os argumentos expostos para justificar a medida. Além disso, o fato ocorreu durante o período de férias em que os alunos, em sua grande maioria, estavam longe, o que dificulta e muito o debate.

 

- Quais atitudes eram tomadas pela Atlética em relação aos trotes passados?
A Atlética é a favor dos trotes que usualmente ocorrem na FEA-RP, porém ela não é responsável por nenhum deles, simplesmente porque os autores dos trotes são todos alunos da FEA-RP, logo, está fora de alcance da Atlética controlar todos os trotes que ocorrem durante o ano. Quero acrescentar que a Atlética é contra trotes abusivos, porém estou a três anos nesta faculdade e nunca vi nenhum do tipo, o que não quer dizer que não exista. Os trotes são geralmente associados à Atlética, pois eles ocorrem principalmente em eventos organizados pela mesma; porém, como já dito anteriormente, ela não é responsável por eles e adquiri benefícios em apenas dois: trabalhar no bar da festa de recepção dos "bixos" e o assim denominado pela comissão, "compre seu tênis" em que o dinheiro é entregue a Atlética para proporcionar ônibus para a festa de recepção. O primeiro ocorre porque sempre no começo do ano a entidade está com menos membros e dificilmente tem membros suficientes para atender todos que estão na festa, então convidamos os "bixos" para nos ajudar. É 100% por opção do "bixo" e muitas vezes o mesmo gosta de ajudar e quase sempre os mesmos acabam virando membros da Atlética. Durante o período em que os "bixos" estão trabalhando eles sempre são supervisionados por algum membro da entidade. Para quem não sabe o nome da Atlética (Associação Atlética Acadêmica Flaviana Condeixa Favareto) é uma homenagem a uma ex-aluna da FEA-RP que morreu em um acidente de carro, portanto a Atlética sempre tem como preocupação a forma em que os alunos irão até as festas realizadas pela mesma, então tentamos sempre disponibilizar ônibus para os estudantes, no Entorta Bixo do ano passado, por exemplo, foi criada uma linha de ônibus que saía do Centro e ia até o evento para que os estudantes não precisassem usar carro e evitassem acidentes. Como já foi dito anteriormente nas redes sociais, o intuito do trote compre seu tênis é arrecadar dinheiro para o ônibus que levam os estudantes para a festa que costumava ser gratuita para os bixos. Não consigo entender como esse trote pode ter sido classificado pela comissão como "humilhante" uma vez em que o "bixo" não passa por uma situação constrangedora. Os trotes realizados na FEA-RP tem três intuitos que, ao meu ver, são fundamentais para a vida universitária e profissional dos "bixos". Primeiro é a inserção na Faculdade, eu me senti realmente parte da Faculdade logo depois do trote realizado durante a matrícula. Para mim foi como um ritual de passagem, uma mudança da vida de colegial para a vida universitária, um ótimo exemplo desse tipo de trote é a gravata, você entra na universidade e não conhece nada nem ninguém e a gravata te dá um nome que te aproxima de todos os alunos. Em segundo lugar ensina hierarquia, pois os alunos com mais tempo e logo com mais experiência, são mais respeitados, assim como em uma empresa em que você começa como estagiário e com o tempo vai crescendo na mesma. O terceiro é a integração, o trote te faz conhecer os alunos tanto da sua turma como de toda a Faculdade, o networking é importantíssimo para o sucesso da vida acadêmica e profissional, o "bixo" entra sem saber nada da Faculdade e quem ensina são os veteranos. Além disso, nossos melhores amigos surgem quando passamos por esses momentos juntos, creio que a maioria dos veteranos conheceu grandes amigos durante um trote que passaram juntos. O objetivo do trote é proporcionar momentos em que você sai da sua zona de conforto junto com outros que estão exatamente na mesma situação e depois vocês irão rir juntos dos momentos que passaram. Vale frisar que o trote na FEA-RP é opcional e há uma regra entre todos os alunos em que quem não passou pelos trotes não pode aplicá-los também de forma que todos envolvidos nos trotes são os que passaram pelos mesmos, portanto sabem como lidar quando praticá-los, de modo a não passar dos limites.


- O que você recomendaria para ser discutido entre alunos e a Comissão Pró-Calouro com relação ao trote?
A discussão entre os alunos e a Comissão deve ir muito além das questões relacionadas aos trotes, deve tratar também de todos os problemas aos quais os alunos são submetidos. Infelizmente a USP-RP é associada a uma universidade em que os alunos estão acomodados e não estão acostumados a lutar por seus direitos; porém, me parece que estamos em um momento de mudança em que os alunos estão percebendo que a USP existe por causa dos alunos e nós temos que brigar por nossas vontades, pois nós somos a Universidade de São Paulo.

Lido 3822 vezes Última modificação em Segunda, 25 Fevereiro 2013 10:17