Coordenador:

Prof. Dr. Luciano Nakabashi - mandato: 18/05/2020 a 17/05/2022

E-mail: luciano.nakabashi@gmail.com  e  nakabashi@fearp.usp.br

Telefone: (16) 3315-3908

Suplente do Coordenador:

Prof. Dr. Márcio Poletti Laurini - mandato: 22/09/2019 a 21/09/2021

E-mail: laurini@fearp.usp.br

Telefone: (16) 3315-9017

 

Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Economia - Área Economia Aplicada (CCP-PPGE)

Membros

Titular: Prof. Dr. Márcio Poletti Laurini

Suplente: Prof. Dr. Renato Leite Marcondes                  

Mandatos: 11/09/2019 a 10/09/2021

 

Titular: Prof. Dr. Luciano Nakabashi

Suplente:

Mandatos: 31/01/2020 a 30/01/2022

 

Titular: Prof. Dr. Luiz Guilherme D. S. Scorzafave

Suplente: Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai

Mandatos: 08/05/2020 a 07/05/2022

 

 Representante Discente:

Titular: Darcy Ramos da Silva Neto 

Suplente: Denize Mirian da Silva

Mandatos: 15/12/2019 a 14/12/2020

 

Secretária:

Selma Lúcia Rocha Pontes - e-mail: rec@fearp.usp.br - (16) 3315-3910

Agenda Qualificações

Agenda Pré-Defesas

Agenda Defesas

  • Henrique Neves Plens Open or Close

    Área:    Economia - Área: Economia Aplicada

    Curso: Mestrado
    Data:    09/06/2020, às 09h00 - horário de Brasília
    Local: Devido à contingência do COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Transmissão ao vivo: stream.meet.google.com/stream/33a1c1e2-093a-4f1a-968a-92163024a004

    Título: Ciclos eleitorais e novos partidos políticos: evidências para municípios brasileiros
    Autor: Henrique Neves Plens

    Banca: Prof(a). Dr(a). Sérgio Naruhiko Sakurai (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Marcos Yamada Nakaguma (Fundação Getúlio Vargas - FGV)

    Prof(a). Dr(a). Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Enlinson Henrique Carvalho de Mattos (Fundação Getúlio Vargas - FGV)

    Resumo: 

    Tem-se associado a presença de ciclos eleitorais com a maturidade das democracias. No entanto, pouco se explorou acerca do impacto da heterogeneidade dos partidos políticos - os principais agentes da democracia representativa - nesse fenômeno. Desde a redemocratização na década de 1980, o sistema eleitoral brasileiro se  caracterizou pela fragmentação partidária e pela fraqueza de seus partidos políticos, pouco representativos da coletividade. Portanto, o país é terreno fértil para essa investigação. Decerto, quer-se averiguar se o ambiente institucional povoado por novos partidos políticos favorece o aparecimento de ciclos eleitorais. Para isso, se explora se no manejo do orçamento público, prefeitos eleitos por novos partidos políticos se comportam diferentemente de seus pares eleitos por partidos políticos tradicionais. Assim, a principal contribuição dessa pesquisa é examinar um canal de manifestação de ciclos eleitorais pouco explorado pela literatura internacional: a presença de partidos pouco consolidados dentro do jogo democrático. Focam-se em evidências para as  municipalidades brasileiras a partir de dados em painel. Assim, propõe-se um modelo de regressão descontínua (RDD) para averiguar a questão. Para as variáveis fiscais selecionadas os resultados não apontaram diferenças estatisticamente significantes entre municípios controlados por novos partidos políticos e entre municípios governados por partidos tradicionais. Isso se manteve tanto para variáveis como média de mandato quanto para variáveis que comparavam o último ano de mandato com a média dos três primeiros anos das administrações.

  • Patrícia Silva Felini Open or Close

    Área:    Economia - Área: Economia Aplicada

    Curso: Mestrado
    Data:    15/06/2020, às 14:00 - horário de Brasília
    Local: Devido à contingência do COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link para assistir: https://stream.meet.google.com/stream/19752d14-651b-4f5c-b73a-f6735654c171


    Título: Previsão do consumo: análises para o Brasil e os EUA
    Autor: Patrícia Silva Felini

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Fábio Augusto Reis Gomes (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Cleomar Gomes da Silva (UFU)

    Prof(a). Dr(a). Gian Paulo Soave (Universidade Federal da Bahia - UFBA)

    Prof(a). Dr(a). Fernando Antonio de Barros Júnior (FEARP)

     

    Resumo: 

    Este trabalho analisa a capacidade de previsão de diversos indicadores com respeito ao consumo agregado no Brasil e nos Estados Unidos, sendo composto, assim, por dois estudos. O primeiro estudo investiga se a variável crédito é capaz de aprimorar a previsão de diferentes categorias de consumo (agregado) dos EUA, após levar-se em conta indicadores macroeconômicos típicos da literatura de previsão – defasagens do consumo, renda, taxa de juros e índices financeiros –, que captariam os fundamentos econômicos. Além desses indicadores, incluem-se também medidas de sentimento (confiança) do consumidor e de incerteza macroeconômica. Para avaliar a contribuição marginal do crédito e, também, do sentimento do consumidor e da incerteza macroeconômica, estimam-se diversos modelos com base em todas as variáveis mencionadas e são feitos exercícios de previsão fora da amostra. Para isso, são consideradas previsões h passos (meses) a frente, com h = 1; 3; 12. Como temos diversos modelos, a metodologia utilizada para selecionar aqueles que têm maior capacidade de previsão (fora da amostra) é a abordagem Model Confidence Set que nos permite avaliar o poder preditivo de diversos modelos de forma conjunta. Os resultados encontrados indicam que adicionar o crédito ao modelo base, com indicadores macroeconômicos típicos, não melhora a previsão das diferentes categorias de consumo analisadas. Além disso, para determinadas categorias do consumo, como consumo de não duráveis, em alguns horizontes temporais as variáveis de sentimento do consumidor e as variáveis de incerteza macroeconômica são relevantes. O segundo estudo investiga se índices de confiança do consumidor aprimoram a previsão do consumo agregado no Brasil, após levarmos em conta variáveis macroeconômicas usuais que captariam os fundamentos econômicos. Para tanto estimamos diversos modelos e medimos o poder preditivo (incremental) de índices de confiança do consumidor em exercícios de previsão dentro e fora da amostra. No primeiro caso, há evidência que as defasagens do próprio consumo, do crédito e da taxa Selic são preditores relevantes do consumo agregado. No segundo caso, os resultados são mistos, pois dependem da função perda utilizada na abordagem Model Confidence Set. Em particular, no caso do Erro Quadrado Médio o conjunto de modelos superiores é composto por uma única especificação na qual consta um índice de confiança do consumidor.

  • Gabriel Ortiz Cetra Open or Close

    Área:    Economia - Área: Economia Aplicada

    Curso: Mestrado
    Data:    09/06/2020, às 16:30 - horário de Brasília
    Local: Devido à contingência do COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    link para assistir: https://stream.meet.google.com/stream/14ad30fc-047f-4e25-838f-99f96712f421

    Título: Qualidade da educação e salários nos municípios brasileiros
    Autor: Gabriel Ortiz Cetra

    Banca: Prof(a). Dr(a). Luciano Nakabashi (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Eduardo Gonçalves (Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF)

    Prof(a). Dr(a). Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Augusta Pelinski Raiher (Universidade Estadual de Ponta Grossa)

    Resumo: 

    A literatura sugere que o capital humano tem relação positiva com a renda, de forma que aumentar a escolaridade da população é uma estratégia indispensável para o desenvolvimento econômico. O presente estudo analisou a relação entre a qualidade da escolaridade e o nível da renda do trabalho nos municípios brasileiros, sob a luz das habilidades cognitivas e econometria espacial. Utilizando o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) como medidas de qualidade educacional, as estimativas encontradas indicam a importância da qualidade da educação na determinação do salário, além de um efeito espacial relevante, indicando a necessidade de políticas públicas nesse sentido para promover o desenvolvimento econômico.