Ralph Melles Sticca pesquisa a relevância da contabilidade nas relações com o Fisco e busca propor maior clareza nas normas tributárias no que tange ao hedge accounting, com o intuito de reduzir o risco de autuações fiscais decorrentes da identificação das operações financeiras de hedge nas companhias brasileiras. Administrador e contador formado pela FEA-RP/USP, atua como advogado tributarista em Ribeirão Preto e São Paulo. É professor dos cursos de MBA da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Tributários (INPET).
 
 
ralph1  

Perguntamos ao Ralph sobre sua decisão de fazer mestrado e como vê a condução do programa. 

Quando me formei em Administração em 2003 sabia que minha relação com a FEA-RP não acabaria ali. Voltei para cursar Ciências Contábeis em 2007 e ao formar-me, em 2009, tinha certeza de que o próximo passo seria o mestrado - era um período de intensas mudanças na legislação societária, enquanto as normas contábeis brasileiras convergiam para os padrões internacionais.
Em minha atuação profissional, conhecer profundamente a contabilidade é pré-requisito, pois toda a legislação tributária se apóia em conceitos extraídos da contabilidade, tanto societária como gerencial, bem como a parte mais relevante da atual Lei das S.A. (Lei nº. 6.404/76) diz respeito aos critérios de reconhecimento, mensuração, evidenciação e elaboração de demonstrações financeiras - para as interpretar e aplicar é preciso mais que conhecimentos jurídicos.

 

 

A necessidade de aprofundamento, bem como o interesse pela docência – ministro aulas em MBA desde 2008 – levaram-me a buscar o mestrado em Controladoria e Contabilidade, que também impacta positivamente a atividade profissional, principalmente quando se trata de prestação de serviços baseada na produção de conhecimento, como é o caso da advocacia empresarial.

 

Porque Contabilidade em Ribeirão Preto?
Durante os 5 anos em que cursei Administração na FEA-RP o curso fora reconhecido como o melhor do país, ainda que em instituição localizada fora do eixo Rio-São Paulo. O mesmo ocorreu com o curso de Ciências Contábeis. Creio que a qualidade de ensino da FEA-RP deve-se a sua derivação histórica da FEA-SP, mas principalmente ao pioneirismo dos professores que se arriscaram a sair da "metrópole" para promover o ensino de excelência no interior de São Paulo.
Hoje, o número reduzido de turmas, o nível de titulação e de publicação dos professores e o ambiente profícuo de negócios na região fazem da FEA-RP um benchmark, e não uma escolha conveniente. O mesmo se aplica a Ribeirão Preto, região com grande concentração de instituições de ensino e a terceira maior em potencial de consumo no país – e as companhias já perceberam este movimento, trazendo para cá seus escritórios, sucursais e centros de serviços compartilhados.

 

Como mestrado lhe ajudou?
Ter cursado mestrado na USP – e, sobretudo na FEA – trouxe-me inúmeros benefícios: a qualidade técnica dos artigos dados como leitura obrigatória, a profundidade das discussões em sala de aula e o estudo intensivo de metodologia da pesquisa científica foram diretamente incorporados a minha atividade profissional; já o contato com professores e alunos, assim como a própria titulação proporcionaram maior e melhor rede de contatos profissionais e convites para ministrar aulas, inicialmente em MBAs.

 

O que diria a quem esta pensando na carreira acadêmica?
A carreira acadêmica na área de negócios pode sim ser coordenada com a experiência profissional – conhecer a fundo o objeto de estudo é relevante para o desenvolvimento da pesquisa científica. Por isso, recomendo que o mestrado seja também parte de um plano de amadurecimento profissional, e não somente uma escolha definitiva pela carreira acadêmica. Ter vencido desafios profissionais após a graduação e antes do mestrado foram determinantes para o meu melhor aproveitamento no programa.
Mesmo durante o curso pude perceber avanços consideráveis no programa, que se adaptou bem às realidades atuais do mercado, sem qualquer prejuízo à qualidade de ensino e pesquisa e ao nível de cobrança dos alunos – de fato, este é o grande desafio da academia: estudar com embasamento científico e metodológico temas de relevância para a sociedade. E é por isso que recomendo o mestrado também aos empreendedores, executivos e profissionais liberais, que poderão aplicar o conhecimento adquirido no curso em situações práticas de sua profissão

 


Agenda Qualificações

  • Alexandre Alberto Lucca Open or Close

    Área: Controladoria e Contabilidade


    Data: 22/09/2020, às 09:00 - horário de Brasília

    Local: Devido à contingência do COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link da transmissão ao vivo:  stream.meet.google.com/stream/d1f5252d-f260-4523-96fb-cac08cf47092

    Obs: Apenas usuários com contas "@usp" podem acessar a transmissão. Caso usuários que não possuam estas contas queiram assistir a sessão, deverão nos enviar (com antecedência) e-mail para "posgrad@fearp.usp.br" e enviaremos as instruções.  

    Título: A contribuição da blockchain na Gestão de Custos Interorganizacionais das indústrias farmacêuticas brasileiras.


    Autor: Alexandre Alberto Lucca

    Comissão Examinadora:        

    Prof(a). Dr(a). Maisa de Souza Ribeiro - (Presidente)

    Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEARP / USP

    Prof(a). Dr(a). Rosana Carmen de Meiroz Grillo Gonçalves

    Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEARP / USP)

    Prof(a). Dr(a). Priscila Laczynski de Souza Miguel

    Fundação Getulio Vargas - FGV

Agenda Defesas

  • Valdir Domeneghetti Open or Close

    Área: Controladoria e Contabilidade

    Curso: Doutorado
    Data: 07/10/2020, às 12h00 (horário de Brasília)
    Local: Devido à contingência da COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link da reunião: meet.google.com/btr-ipas-ava

    Link da transmissão ao vivo: stream.meet.google.com/stream/26e2a773-1786-4875-b312-ace5ded734bd

    Obs: Apenas usuários com contas "@usp" podem acessar a transmissão. Caso usuários que não possuam estas contas queiram assistir a sessão, deverão nos enviar (com antecedência) e-mail para "posgrad@fearp.usp.br" e enviaremos as instruções.

     

    Título: Gestão de riscos de fundos de pensão: análise das alocações dos fundos de pensão fechados de 2010 a 2017
    Autor: Valdir Domeneghetti

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Fabiano Guasti Lima (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). George André Willrich Sales (Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP)

    Prof(a). Dr(a). José Roberto Ferreira Savoia (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA)

    Prof(a). Dr(a). Alexandre Assaf Neto (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Fabiana Lopes da Silva (FIPECAFI - Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Augusto Ambrozini (FEA-RP)

     

    Resumo: 

    O crescimento dos estudos dos sistemas previdenciários, tanto no Brasil, quanto no cenário internacional, está diretamente correlacionado com o aumento da expectativa de vida da população, constatação corroborada na ampla revisão bibliográfica realizada no presente estudo. O fato do ser humano viver mais e melhor, suscita desafios quanto a questões de proteção social e sistemas de garantia de renda pós período laboral das pessoas, ou seja, de onde virão os recursos para garantir níveis de renda da população mundial, eles serão públicos ou privados, teremos sistemas previdenciários financiados ou capitalizados. O objetivo desta pesquisa é estudar as alocações das respectivas carteiras de investimentos, no período de 2010 a 2017, das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), reconhecidas no mercado brasileiro como “Fundos de Pensão”, que são capitalizadas e o 2º pilar do sistema brasileiro de seguridade social. Foi utilizado no estudo, como base de dados, a população dos Demonstrativos de Investimentos dessas entidades, disponibilizados pelo Órgão Regulador - Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) por meio de processo formal e exclusivamente para fins de pesquisa acadêmica. Foram analisadas as entidades em conjunto, por modalidades de planos de Benefício Definido – BD, Contribuição Definida – CD e Contribuição Variável – CV e, também, por classificação por porte (pequeno, médio e grande). Complementarmente, empregou-se uma modelagem de dados em painéis de efeitos aleatórios e os do método dos momentos generalizados (GMM - Generalized Method of Moments) – Arellano-Bond, considerando como variáveis dependentes Risco e Sharpe. Os principais resultados sugerem que o segmento de Fundos de Pensão fechados no todo é eficiente em termos de retorno, quando considerado o modelo aplicado e a periodicidade anual da base de dados, indicando que alocações em ativos de maior risco perfazem maior retorno. Esse resultado é importante e em contraponto ao que foi constatado nas análises descritivas, que indicaram ineficiência do retorno médio quando comparado com a Taxa Selic e o IPCA (inflação oficial), em vários trimestres do período analisado (do 1º trimestre de 2010 ao 4º trimestre de 2017), em todas as modalidades e portes de planos e, considerando os índices acumulados trimestralmente. Quanto ao risco, os segmentos de renda variável e fixa tiveram significância com os sinais da literatura (correlacionados positivo e negativamente, respectivamente), mas nas análises descritivas o risco calculado foi zero ou próximo de zero, em função da ineficiência dos retornos. Ressalta-se, contudo, que análises de retorno e risco dos Fundos de Pensão fechados precisam ponderar a complexidade e as especificidades desse segmento, além da multiplicidade de variáveis que podem influenciar as avaliações dos planos previdenciários fechados de forma individual, por possuírem características únicas em função das alocações que realizam, dos valores eventualmente recebidos que podem estar incluídos nos rendimentos auferidos pelos investimentos e do perfil de investimento registrado pelos participantes, que se torna um direcionador de alocações.

  • Felippe Paolucci de Andrade Open or Close

    Área:    Controladoria e Contabilidade

    Curso: Mestrado
    Data:    13/10/2020, às 09h00 - horário de Brasília
    Local: Devido à contingência do COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link da transmissão: stream.meet.google.com/stream/68d472d7-b5dd-4c8c-bcfe-021aa0e25d97

    Obs: Apenas usuários com contas "@usp" podem acessar a transmissão. Caso usuários que não possuam estas contas queiram assistir a sessão, deverão nos enviar (com antecedência) e-mail para "posgrad@fearp.usp.br" e enviaremos as instruções.

    Título: Ecoeficiência em cervejarias artesanais: um estudo de casos múltiplos
    Autor: Felippe Paolucci de Andrade

    Banca: Prof(a). Dr(a). Maisa de Souza Ribeiro (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Roni Cleber Bonizio (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Raimundo Nonato Rodrigues (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE)

    Prof(a). Dr(a). Sonia Maria da Silva Gomes (Universidade Federal da Bahia - UFBA)

    Resumo: 

    A produção de cerveja artesanal vem ganhando espaço no mercado brasileiro, uma vez que os consumidores buscam um produto de maior qualidade e inovador. Entretanto, as microcervejarias correm o risco de adotar hábitos nocivos comuns ao próprio setor, no que concerne ao desperdício de água, alto consumo de energia e geração de resíduos sólidos. Entende-se que um diagnóstico das práticas de Produção Mais Limpa (P+L) pode colaborar para a ecoeficiência do negócio, atendendo às necessidades financeiras desse subsetor e contribuindo com o benefício socioambiental. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo investigar a aderência às práticas de P+L nas cervejarias artesanais e seus impactos econômicos, visando auferir o nível de ecoeficiência no qual se encontram. Para isso, realizou-se um estudo de caso múltiplos, no qual participaram três das oito cervejarias artesanais que formam o Polo Cervejeiro de Ribeirão Preto, que se configura em um Arranjo Produtivo Local (APL). A princípio, identificaram-se as recomendações propostas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), órgão de controle de poluição, para cervejarias, no que diz respeito à água, energia e subprodutos, as quais foram adaptadas ao modelo a ser investigado. O instrumento de coleta de dados foi composto por entrevistas aos gestores e responsáveis pelo processo de produção, além da visita técnica. Os resultados obtidos permitiram verificar que, quanto maior a aderência nas práticas de P+L, menor o consumo de recursos, como água e energia, e os custos que se tem com eles, portanto, melhor o nível de ecoeficiência do negócio. O porte, restrições financeiras e de espaço físico, também, foram fatores presentes quando da ausência de P+L. Entende-se, desse modo, que a ecoeficiência é uma ferramenta oportuna para a continuidade do subsetor, pois além de promover melhorias no parque operacional, reduzindo custos, diminui, também, o impacto desse segmento na natureza. Espera-se que a divulgação dos resultados obtidos nessa pesquisa possa gerar um isomorfismo de sustentabilidade no subsetor e reflexões sobre as possíveis colaborações para o desenvolvimento sustentável dos negócios e do planeta.

  • Raíssa Silveira de Farias Open or Close

    Área: Controladoria e Contabilidade

    Curso: Doutorado
    Data: 22/09/2020, às 08h30 (horário de Brasília)
    Local: Devido à contingência da COVID-19, a banca ocorrerá totalmente online e será transmitida publicamente.

    Link da reunião: meet.google.com/imm-etvc-mpv

    Link da transmissão ao vivo: stream.meet.google.com/stream/743b6ad6-cad8-40db-ad43-8c14a49085aa

    Obs: Apenas usuários com contas "@usp" podem acessar a transmissão. Caso usuários que não possuam estas contas queiram assistir a sessão, deverão nos enviar (com antecedência) e-mail para "posgrad@fearp.usp.br" e enviaremos as instruções.

    Título: Reflexão sobre o desenvolvimento profissional dos professores de Ciências Contábeis
    Autor: Raíssa Silveira de Farias

    Banca: Prof(a). Dr(a). Adriana Maria Procópio de Araújo (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Camila Lima Coimbra (Universidade Federal de Uberlândia - UFU)

    Prof(a). Dr(a). Mariana Simões Ferraz do Amaral Fregonesi (Universidade de São Paulo - USP)

    Prof(a). Dr(a). Anielson Barbosa da Silva (Universidade Federal da Paraíba - UFPB)

    Prof(a). Dr(a). Ernani Ott (Universidade do Vale do Rio dos Sinos

    Prof(a). Dr(a). Marcia Maria dos Santos Bortolocci Espejo (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS)

    Resumo: 

    O estudo teve como objetivo geral compreender o significado das experiências e dos saberes mobilizados no processo de desenvolvimento profissional dos professores de cursos de graduação em Ciências Contábeis no Brasil. Foram traçados como objetivos específicos a análise, por meio das experiências significativas: (i) da trajetória profissional dos professores, dentro e fora do ambiente acadêmico; (ii) dos principais desafios,  expectativas e influências/estímulos recebidos ao longo da carreira e; (iii) dos saberes mobilizados pelos professores no processo de desenvolvimento profissional. Para tanto, foi realizada uma discussão teórica tomando-se por base o Modelo Interligado de Desenvolvimento Profissional de Professores desenvolvido por Clarke e Hollingsworth (2002), os quais sugerem que o desenvolvimento profissional ocorre por meio dos processos mediadores de “reflexão” e “aplicação”, em quatro domínios analíticos: (i) o domínio pessoal; (ii) o domínio da prática de ensino; (iii) o domínio da consequência e, (iv) o domínio externo, aliado aos saberes segundo a perspectiva de Tardif (2012), e as experiências dos vinte e seis sujeitos na mobilização desses saberes. O grupo de entrevistados apresentaram características diversas: homens e mulheres; diferentes fases da carreira docente; formação acadêmica diversa; atuação em diferentes instituições de ensino superior (públicas e privadas). Utilizou-se a entrevista semiestruturada com abordagem qualitativa e reflexiva, como técnica de construção das narrativas, as quais teve como base um roteiro composto por vinte e duas perguntas. As análises foram construídas tomando-se por base a análise de template desenvolvida por King (2004). Identificou-se cinco categorias, que nortearam todo o processo de análise: (1) experiências prévias à carreira docente; (2) ingresso no magistério superior: desafios, expectativas e influências; (3) mobilização dos saberes experienciais na prática docente; (4) estímulos externos à docência; e (5) os resultados salientes no desenvolvimento profissional, dentro e fora do espaço da sala de aula. A partir das análises, conclui-se que os professores referência em Ciências Contábeis desenvolvem-se na docência por meio da reflexão e ação sobre a própria prática; a partir das relações positivas, de parceria, apoio e orientação, estabelecidas com seus alunos; por meio da busca atenta às trocas de experiência com os pares e com o mercado profissional; bem como a partir da busca pessoal pelo aprimoramento de sua prática docente diária. São professores cujos saberes são temporais, plurais e heterogêneos, personalizados e situados, conforme defende Tardif (2012). Além da sua contribuição teórica, entende-se que algumas contribuições práticas podem ser sugeridas: (1) um processo de acompanhamento das monitorias (na graduação) com o olhar de “primeira oportunidade de contato com a docência”; (2) promoção por meio de coordenadores de curso de espaços de interação e socialização entre os membros do corpo docente como forma de estímulo e aprimoramento da prática docente e; (3) o repensar nas IES sobre a forma como estão realizando seus cursos de formação inicial e continuada, e estimulando seus docentes a participar de práticas formativas com o foco no desenvolvimento pessoal, e profissional.

     

     

Atualização do site

  • Atualizado em: 18 Setembro 2020, 09:17:03.